quinta-feira, 26 de junho de 2014

Instantes Inclusivos - Mundos imaginários, íntimos da realidade



Em comum os livros aqui apresentados reúnem mensagens inclusivas, remetem-nos para o universo infantil, narrativas acompanhadas da leitura eficaz de carácter informativo e de referencial imaginativo numa informação biunívoca.
Remetendo para a ilustração narrativa conhecida dos leitores, estes mundos da ilustração permitem na continuidade visual, bem próximo do imaginário infantil, uma perfeita harmonia de entrega narrativa.
Pela minha experiência, são eficazmente acarinhados pelas crianças. O impacto visual da ilustração contribui em muito para a escolha inicial destes livros por parte daquelas. Depois segue-se o deslumbramento da sequência narrativa.

Uma sombra que desliza” transporta-nos para a narração do ponto de vista de uma criança que através do seu olhar nos invoca a personalidade de uma irmã.
Evoca, logo no título da tradução portuguesa, o que está presente resvalando de um padrão...
A escolha do título nesta versão portuguesa, é quanto a mim um opção sábia, recolhendo a informação dada pela criança que nos carateriza a irmã. Os  títulos de outras edições (Castelhano, Galego, Catalão e Espanhol)  escolheram “Fala-me” remetendo para a ânsia de uma relação verbal. A versão italiana “É, não é?” alude  a um jogo de literacia e de imagem,  remetendo sempre para a dualidade e contradições da personagem que se vai descobrindo na narrativa.
Sem falar uma única vez na problemática ou diagnóstico (como se porventura fosse necessário), o narrador remete-nos para uma particularidade na diferença da sua irmã que não necessita de rótulo.
É esta a grande mestria destas narrativas. Sem subterfúgios, sem lamechices  aborda-se a diferença na sua plenitude, na sua imprevisibilidade e verdadeira fragilidade, paralelamente riqueza do ser humano
As ilustrações sempre arrebatadoras e reconhecíveis de Chiara Carrer desde logo fascinam, sombras que deslizam e iluminam as personagens.  Papel pintado, desenhos, colagens em diferentes superfícies que remetem para diferentes texturas ampliando visualmente a narrativa, nas dúvidas, surpresas, imprevisibilidade. Repleto de sentimentos contraditórios, patenteia que a compreensão e a vivência com a diferença pode não ser uma tarefa fácil, feita de contrariedades e inquietudes mas sempre enriquecedora, apelando para a peculiaridade de cada indivíduo na sua singularidade.  Um livro que é pura poesia de imagem e prosa no modo como permite ver o outro.

O texto de "Queres namorar comigo" é poético na sua abordagem recheada de ternura. Num contexto que apela para a inocência da linguagem da infância constitui uma permanente surpresa na medida em que incorpora  um certo toque de humor na sua forma de abordar os afetos, quase ridículos (como dizia o poeta). Como se alguma vez, todos o sabemos, o amor pudesse ser de outra forma que não ridículo. Amores impensáveis num casamento pouco provável mas surpreendente porque quando se ama, tudo é possível. As ilustrações são impossíveis de descrever. São uma obra de arte em desfile para o leitor que se interessa atento. Dizem mais que muitas palavras e ainda bem que assim é. Pormenores subtis que requerem uma dupla leitura numa sobreposição de desenhos e colagens de diferentes materiais. O formato diferenciado deste livro é desde logo apelativo, porque na verdade exige não só um espaço de arejamento para as fabulosas ilustrações, como também  o tamanho de uma girafa apela a esse formato, contudo não se iludam nesta questão de tamanhos. Às vezes uma girafa é capaz de se tornar pequenina perante um caracol apaixonado e decidido a revelar o seu afeto. Um livro objeto pelo seu formato e beleza estética desde as guardas que nos remetem para um imaginário de infância que antecipa um segredo muito importante. Simplesmente delicioso na sua abordagem, na simplicidade e âmago das mensagens.

O livro  Anton” revela-nos uma criança que estranha a diferença e que apela ao espaço de encontro. A personagem principal revela-nos a sua visão do mundo. Este, por vezes difícil de entender em palavras, mas onde os números se sentem e nessa língua nunca somos estrangeiros.
...”só aprendemos bem se estivermos juntos e só estamos juntos se esperarmos uns pelos outros.
Uma obra filosoficamente poética, cheia de metáforas, para refletir sobre o que está para lá das palavras.
"Não te parece misterioso usares as mesmas letras para dizeres 'tu' e o princípio de 'tudo'?"
O autor, simultaneamente ilustrador oferece-nos imagens ténues e muito simples mas de uma força gráfica bastante apelativa na expressividade do traço e da textura da mancha gráfica, também ela metafórica na sua forma de comunicar com o leitor entre o jogo de texto e lustração.

Um livro para ti, aventura de texto e ilustração de Rita Correia, apresenta-se como uma ode à nacionalidade, uma viagem pelo artesanato, cultura e património onde reúne a multicultariedade e o espírito de partilha.
Partindo do conceito do bookcrossing, este livro propõe novas abordagens e conceitos sobre o dar e receber e exige uma atenção constante aos pormenores e às mensagens nele inseridas.
Um livro jogo, com gente dentro, gente que enaltece o papel do SER em oposição do TER. Dentro deste livro existe ainda um outro para construir. Um livro animado que se poderá desfrutar vezes sem conta.
A ilustração deleitosa, cheia de pormenores, oferece um manancial de (re)descoberta incessante, a autora que se estreia neste livro demonstra a sua autenticidade de profissão. É na ilustração que vem corroborar que uma imagem pode valer mais que muitas palavras. Alargam o conceito da profundidade das mensagens e convidam-nos a viajar nelas na circularidade da obra.

A Casa Grande é um manifesto de cidadania, remete-se para a Casa onde todos vivemos, o mundo que habitamos com pessoas todas diferentes, mas a mesma língua, a universalidade dos sentimentos, da partilha, da amizade, do respeito pela diferença e o uso do tempo ou o que dele se faz. A ilustração num recurso a colagens, perseverante nas cores fortes e contrastantes constitui-se como um elemento marcante na relevância narrativa.



Para além da abordagem estética destes livros deliciosamente arrebatadores a abordagem do texto é transversal na temática do valor urgente da tolerância no encontro da diversidade, combatendo estereótipos, resolvendo conflitos, contribuindo para uma autonomia construída na experiência e nas decisões enquanto cidadão do mundo.
As ilustrações dizem mais que muitas palavras num manancial de informação, provocam sorrisos, uma angústia no peito ou uma lágrima ao canto do olho.


Elvira Cristina Silva

-“Uma sombra que desliza” de Marco Berrettoni Carrara e ilustrações de Chiara Carrer.  Verpraler (2010)
-“Anton” de Simão Vieira. Trinta por uma linha (2009)
-“Queres namorar comigo?” de João Ricardo e ilustrações de Ana Sofia Gonçalves. Dinalivro (2013)
-“Para ti” de Rita Correia (2012 – 1ª edição) edição de autor (os interessados devem encomendá-lo em:
-“Casa grande” de João Manuel Ribeiro e ilustrações de Ricardo Rodrigues. Trinta por uma linha (2012 – 2ª edição)









Sem comentários:

Publicar um comentário